Dual Hearts, o sucessor espiritual de Alundra

Quem jogou Alundra, muito provavelmente, odiou sua sequência. Quando se trata de jogos clássicos e insubstituíveis como Alundra, alcançar o patamar de qualidade em uma sequência é algo, muitas vezes, ingrato. Eu não sei o que se passou pelas cabeças da Sony e da Matrix Software, mas talvez acharam que seria melhor recriar uma nova história com um novo personagem, mas mantendo algumas características do jogo original. Bom, o resultado ficou aquém do esperado.

Mas não vou falar de Alundra 2 hoje, afinal, isso é game pro Shugames. Hoje vou falar de uma espécie de sucessor espiritual de Alundra, um game pouco conhecido mas que possui algumas características inconfundíveis. Dual Hearts saiu para PS2 em 2002 e eu só conheci esse jogo por causa de uma foto na já descontinuada EGM Brasil da época. Comprei o game e contarei agora o que achei dele na época e o que penso à respeito dele hoje.

Leia o resto deste post

Os Demônios de Shadows of the Damned (X360)

Imagine ter sua esposa (ou namorada) raptada pelo próprio capeta em pessoa e levada para o inferno na sua frente. Claro, esse pano de fundo além de manjado, é clássico e acontecia em 8 entre 10 jogos na época dos 16 bits. Mas eis que Goichi Suda (mais conhecido como Suda 51) e Shinji Mikami (criador da série Resident Evil) se juntam e resolvem contar essa história com pitadas de humor e a típica falta de noção característica dos jogos do Suda 51. O resultado é esse, Shadows of the Damned que, em uma analogia rápida, pode ser considerado a junção entre Resident Evil 4 com Devil May Cry.

No game, controlamos Garcia Hotspur, um legítimo caçador de demônios que vai até o inferno pra salvar sua amada, Paula, raptada por Flemming, o senhor do inferno. Chegando lá, ele encontra as mais variadas formas de demônios e monstros existentes, além de precisar lidar com muitas situações inusitadas. Como ajudante, Garcia tem Johnson, um crânio falante com sotaque britânico que dá o tom humorístico à história, o qual ainda pode se transformar em diversas armas e aparatos que ajudam Garcia durante o jogo.

Leia o resto deste post

Limbo, um oásis num mar de tiros!

Em pleno 2011, trombar com um jogo como Limbo é uma satisfação imensa, principalmente pra alguém que cresceu jogando games de plataforma. Entre tantos jogos de tiro cada vez mais realistas, um jogo simples, com apenas direcional, pulo e um botão de ação roubou a cena quando foi lançado.

É baseado em um conto onde um garotinho saía por um mundo estranho em busca de sua irmã, raptada por seres que ele mesmo desconhece. Como disseram em alguns sites, é uma mistura de American McGee com A Boy and his Blob, do Wii.

Apresento-lhes hoje, LIMBO, um jogo que saiu apenas digitalmente, mas superou as expectativas e obrigou a Microsoft lançá-lo em uma coletânea com outros dois títulos em disco (um Triple Pack).

Leia o resto deste post

Left 4 Dead, matando zumbis por esporte!

Acho que todo amante de filmes de terror já se imaginou estar preso em uma cidade infestada de zumbis, tendo armamento suficiente pra abrir caminho entre os mortos-vivos e conseguir escapar do inferno….esse é o mote de Left 4 Dead, jogo de tiro feito pela Valve, a mesma responsável por intermináveis batalhas naquele joguinho conhecido por apenas duas letras: CS.

Mas em Left 4 Dead o negócio é diferente. Pra começar, você não está sozinho nessa, mais 3 parceiros sobreviventes ao zumbicalipse se juntam e formam o quarteto que deverá abrir caminho no meio da cidade tentando sobreviver até que alguma alma generosa apareça e os resgate dali.

Muito do jogo toma emprestado conceitos do cinema com base no tema ZUMBI: talvez o maior exemplo seja A Noite dos Mortos Vivos, maior ícone dos filmes sobre zumbis já feitos. Adicionando carisma ao quarteto, a Valve conseguiu criar um jogo extremamente viciante, no qual a cooperação fala mais alto do que tudo…

Leia o resto deste post

Mortal Kombat, o clássico voltou!

Nada como estrear um novo blog com um game tão bom quanto este! O Game Blog do Cosmão é inaugurado com o propósito de trazer análises de jogos do X360 e PS2, consoles mais novos e, portanto, meio deslocados da proposta do Shugames. Como já fazem 2 anos que tenho meu X360 e quase 10 com o PS2, já tenho uma certa bagagem e conhecimento sobre tais consoles, então, é hora de por na prática tudo de bom (e, porque não, de ruim) que eles oferecem.

Quem sabe com o tempo não apareçam Wii e PS3 aqui, vagas estão abertas para análise! Espero que curtam e vamos ao jogo!

Leia o resto deste post